Canadenses criam o “Caremongering” e dão exemplo de solidariedade

Canadenses criam o "Caremongering" e dão exemplo de solidariedade

Em tempos de covid-19, convivendo com notícias e expectativas alarmantes e desesperadoras, canadenses criam o “Caremongering” e dão exemplo de solidariedade: em menos de 72h, 30 mil voluntários criaram grupos de auxílio aos mais vulneráveis utilizando as mídias sociais, trazendo um sopro de esperança para a humanidade, que há muito está concentrada em uma rotina de valores bem distantes do amor ao próximo. A reportagem é de Tom Gerken, da BBC News de Washington. Esse artigo é uma luz na escuridão.

Em tempos de Coronavirus, canadenses cuidam uns dos outros com inspiradores atos de gentileza.

Apenas alguns dias atrás, a palavra “caremongering” não existia. Agora, o que começou como uma maneira de ajudar pessoas vulneráveis ​​em Toronto se transformou em um movimento que se espalha rapidamente pelo Canadá. Mais de 35 grupos do Facebook foram criados em 72 horas para atender comunidades em locais como Ottawa, Halifax e Condado de Annapolis, na Nova Escócia, com mais de 30.000 membros entre eles. As pessoas estão se juntando aos grupos para oferecer ajuda a outras dentro de suas comunidades, principalmente aquelas que correm maior risco de complicações de saúde relacionadas ao Covid-19.

A pandemia levou a atos de bondade em todo o mundo, desde a entrega de sopa para idosos no Reino Unido até uma aula de ginástica para residentes em quarentena em suas varandas na Espanha. Mas, no Canadá, um país cujos habitantes são estereotipados pela mídia como “excessivamente gentis”, como se gentileza fosse uma espécie de falha, esse se tornou um movimento organizado chamado “caremongering“.

Como tudo é impulsionado pelas mídias sociais, o altruísmo é organizado on-line e as hashtags fornecem um registro permanente de todo o bem que acontece em diferentes comunidades do Canadá – uma leitura edificante em tempos de ansiedade.

Leia sobre o que o governo canadense está fazendo para enfrentar o covid-19 e as recomendações de prevenção.

O que é e como surgiu o “caremongering”

O primeiro grupo de “caremongering” foi criado por Mita Hans com a ajuda de Valentina Harper e outros. 

Scaremongering” é um termo utilizado para designar o ato de “espalhar notícias sensacionalistas com o objetivo de alarmar, colocar medo”. Em entrevista à rede BBC, Valentina explicou o significado por trás do nome “o scaremongering é um grande problema. Queríamos mudar isso e fazer com que as pessoas se conectassem de forma positiva. Isso espalhou o oposto do pânico nas pessoas, trouxe comunidade e camaradagem, e nos permitiu atender às necessidades daqueles que estão em risco o tempo todo – agora mais do que nunca.”

“Nós pensamos que teríamos uma dúzia de pessoas”, disse ela com uma risada. “Aumentou para milhares. Mas o mais positivo são os grupos locais que começaram, voltados para bairros específicos. Isso realmente nos mostrou a necessidade de que as pessoas tenham que ter algum nível de confiança e esperança.”

“Ansiedade, isolamento e falta de esperança afetam você. Ao fornecer essa comunidade virtual que permite que as pessoas se ajudem, mostramos às pessoas que ainda há esperança para a humanidade. Não perdemos nossa esperança”.

  • Canadenses criam o “Caremongering” e dão exemplo de solidariedade

“Isso vai me dar uma chance de lutar”

Normalmente, as postagens são divididas entre dois tópicos principais – #iso e #offer. #iso posts são para pessoas “em busca de” ajuda, enquanto #offer posts são (como o nome indica) para pessoas que oferecem ajuda. Existem outros tópicos para discussões, artigos de notícias e quais lojas estão abertas, mas essas duas tags compõem a maior parte das postagens nos grupos.

Paul Viennau, que se juntou ao grupo de “caremongers” em Halifax, disse que a ajuda que recebeu através do grupo parecia “um abraço”.

“Podemos dizer muitas coisas negativas das mídias sociais”, disse ele à BBC. “É um lugar que, normalmente, pode fazer você se sentir isolado. Esta é uma oportunidade para as mídias sociais aproximarem as pessoas, uma oportunidade de se ajudarem”.

“Há 29 anos, sofro de uma doença que compromete o meu sistema imunológico. Eu costumo desinfetar as mãos o tempo todo em circunstâncias normais. Comecei a me preocupar com a falta do produto três dias atrás.” Um amigo pediu em nome de Paul um desinfetante para as mãos no grupo de fabricantes de automóveis de Halifax, e alguém logo apareceu. Logo depois, Paul juntou-se para deixar uma mensagem agradecendo a todos pela ajuda. “Estou completamente e sinceramente sentindo algum amor por isso”, disse ele. “Se eu pegar gripe ou coronavírus, estarei no hospital. Isso me dará uma chance de lutar. Obrigado.”

  • Canadenses criam o “Caremongering” e dão exemplo de solidariedade

“Foi uma mudança de vida”

Existem inúmeros exemplos de boa vontade nos vários grupos do Facebook. Isso inclui uma mãe solteira em Ottawa recebendo comida para seu bebê, um grupo de pessoas em Toronto oferecendo refeições para aqueles que são incapazes e uma comunidade em Prince Edward Island que deu cartões de presente de supermercado a uma mulher demitida porque de fechamentos relacionados ao coronavírus.

Um dos atos mais populares é ir ao supermercado para aqueles que são incapazes – embora, dependendo da sorte, isso possa ser um ato de extrema paciência, como uma mulher de Hamilton descobriu ao ir a um Walmart às 5:30 da manhã de sábado. A fila era longa.

Mas os grupos não são exclusivamente para pessoas capazes de ajudar, ou mesmo para quem precisa.

Eles também são um espaço para as pessoas verem atos de boa vontade em suas comunidades.

Quando perguntado o que o grupo significava para ela, Rhia Rave Fae disse que era “um porto seguro para restaurar minha fé na humanidade”.

“É fácil sentir-se sozinho e impotente”, disse ela, “especialmente se você estiver isolado. Ser capaz de oferecer às pessoas apoio emocional, compartilhar informações e até trocar idéias de como passar o tempo mudou a minha vida para melhor. Este grupo mostra o que há de bom nas pessoas e prova que podemos fazer coisas incríveis quando nos reunimos.

Valentina disse à BBC que achava que o sucesso dos grupos dizia algo sobre os canadenses em geral: “Acho que existe uma crença internacional de que o Canadá é um país muito educado”, disse ela. “E os canadenses são muito gentis. Acho que há algo de canadense nisso, porque, como nossa população é pequena para a extensão territorial do país, há uma tendência de cuidar um do outro, mesmo que haja algumas maçãs podres que compram todo o papel higiênico! Mas acho que isso destaca algo sobre o Canadá – as pessoas se preocupam. É único.”

Você pode ler mais atos de bondade provocados pelo coronavírus utilizando o link.

Fonte: https://www.bbc.com/news/world-us-canada-51915723

  • Canadenses criam o “Caremongering” e dão exemplo de solidariedade

Disclaimer: As informações contidas nesse artigo foram extraídas do site oficial do governo canadense http://www.canada.ca. De tempos em tempos, o governo canadense faz alterações na lei de imigração, as quais podem ter ocorrido após a publicação desse artigo e, portanto, podem não ter sido atualizadas em nossa página. Antes de se comprometer com seus planos, faça a devida confirmação no site oficial ou entre em contato conosco. A Canada Let’s Go é uma empresa de assessoria em imigração e não uma consultoria.

Gostou do artigo? Deixe um comentário! Tem dúvida? Pergunte. Adoraremos responder!

Lila Kuhlmann é autora do livro “Let’s Go! Imigrando para o Canadá” e sócia-gerente da Canada Let’s Go, assessoria personalizada, do planejamento ao settlement, em programas de estudo, trabalho e imigração para o Canadá.

PENSANDO EM ESTUDAR, TRABALHAR OU VIVER PERMANENTEMENTE NO CANADÁ? Clique em contato@canadaletsgo.com  ou WhatsApp-nos: 11 98201.2347 . Se preferir, podemos entrar em contato. Deixe seu e-mail ou WhatsApp:

Adoraremos ler o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: